Depois de Mulher Maravilha, a DC acertou mais uma vez com Liga da Justiça. Com muita ação, um roteiro incrível e personagens sensacionais, o filme funciona do começo ao fim.

Para quem não sabe, Liga era para ser lançado em 2008, sob o comando de Zack Snyder, que acabou deixando a direção por causa de problemas na produção, fazendo com que o filme ficasse nas mãos de Joss Whedon, que teve que finalizar e refazer grande parte.

Como há males que vem para o bem, mesmo com a confusão de 2008, Liga veio em 2017 do jeito que precisava ser: divertido, bonito, com personagens carismáticos e cenas de ação e combate maravilhosas.

Com personagens muito bem desenvolvidos, que é uma especialidade de Whedon, o filme deixa para trás aquele tom sombrio que havia se instaurado e apresenta uma trama leve, com piadas no timing certo e na ironia equilibrada, mostrando a “vibe” heróica de cada um dos personagens, que chegam na tela “sem frescuras”, com motivações definidas e objetivos bem pontuais.

Um dos pontos altos é, sem dúvida, Flash (Ezra Miller) e Mulher Maravilha (Gal Gadot). Com seu jeito espontâneo, piadas mil e cheio de curiosidade, fica fácil se identificar com o personagem e se divertir. Gal Gadot não fica para trás e, mais uma vez, chega com uma atuação impecável, girl power e firmeza nas cenas. Bem Affleck, que interpreta incrivelmente bem Batman, consegue dosar seu lado herói e engajado na causa, com seu lado humano, que fica evidente quando a morte do Superman vem à tona. Além disso, a preocupação com relação ao que seria feito com Flash, Aquaman e Cyborg, que são heróis que ainda não tem filme solo e um pouco distantes do grande público,  fica para trás, já que o filme consegue apresentá-los e ir direto ao ponto nos objetivos de cada um.

Veja Também:  Musa do Brasil lembra momento difícil: "pensei em suicídio"

O retorno do Superman, que era uma questão cheia de mistérios e dúvidas, também é um ponto alto, já que ele vem para marcar essa nova fase da DC e representar a esperança.

Porém, já que nem tudo pode ser perfeito, o vilão do filme é um fator negativo. O Lobo de Estepe chega com um CGI ruim, deixando muito a desejar para um filme no gabarito que tem Liga da Justiça.

Apesar de eu ter conferido em 3D, visualmente o filme é impecável e o 3D pouco soma para a beleza da Liga e se torna dispensável, já que os efeitos especial e visuais são muito bem feitos e não haveria necessidade alguma da terceira dimensão.

Liga da Justiça é um acerto, é lindo, mostra o lado heróico e também humano de cada personagem, é divertido, encanta o espectador e traz esperança para o futuro dos filmes da DC.

(TEM DUAS CENAS PÓS CRÉDITOS e uma delas já abre espaço para o vilão do próximo filme. Esperem e ASSISTAM!)


JÁ ME SEGUE NAS REDES SOCIAIS?

Instagram: @avictoriareal

Youtube: Vic Viu