Maze Runner: A Cura Mortal chegou aos cinemas para encerrar a trilogia teen e, confesso, encerra dignamente.

Fechando todos os ciclos e aparando todas as arestas, o terceiro filme deixa os fãs da saga satisfeitos, mas acaba deixando a desejar para o espectador “comum”. Digo isso porque o roteiro não faz questão nenhuma de contextualizar ou dar aquele “refresh” na memória de quem não se lembra mais de A Prova de Fogo ou do primeiro filme.

Além disso, um dos pontos negativos de A Cura Mortal é o ritmo dele. Com um timing arrastado e com momentos desnecessário, para quem não é fã voraz dos livros, o filme pode se tornar arrastado e maçante.

Um dos pontos positivos de A Cura Mortal são as cenas de ação. Focado em recuperar o amigo Minho, o grupo liderado por Thomas (Dylan O’ Brien) protagoniza momentos eletrizantes para tentar se infiltrar na CRUEL. Outros dois pontos que valem ser ressaltados, são as atuações de Thomas Brodie-Sangster (Newt) e Rosa Salazar (Brenda), que se destacam em inúmeros momentos do filme.

Veja Também:  Uau! Mulher Melancia mostra segredo do bronzeado

Por fim, Maze Runner: A Cura Mortal leva aos fãs mais fieis um desfecho satisfatório, mas se torna cansativo ao longo de suas 2 horas e 22 minutos de duração.


JÁ ME SEGUE NAS REDES SOCIAIS?

Instagram: www.instagram.com/avictoriareal

Facebook: https://www.facebook.com/avictoriareal

Youtube: https://goo.gl/byLs2G