O álbum Reconstrução do músico e compositor Tiago Iorc, que ganhou uma de duas indicações ao Grammy Latino, tem chamado a atenção não somente pela qualidade do trabalho como também por algumas particularidades. O seu lançamento, que pegou todos de surpresa,  o disco visual, em que cada música conta com um clip, o recorde batido, por ter sido o artista que mais colocou músicas na plataforma de streaming em menos tempo, são algumas delas.

Mas segundo Jonathan Maia, engenheiro de som que trabalhou no álbum, houve mais uma atitude incomum que ocorreu durante o processo de gravação que poucos sabem. Hoje em dia, a maioria das gravações são quase todas feitas somente no computador, usando samples e instrumentos virtuais, que na opinião do especialista, também funciona e dá um ótimo resultado.

No entanto, 90% do disco  foi gravado no formato analógico, segundo Jonathan Maia. Foram usados pianos acústicos, sintetizadores analógicos, alguns microfones e pré-amplificadores valvulado. Além disso, o compositor reuniu um super time de produtores, músicos e engenheiros de som como Mário Caldato Jr, Roberto Pollo, Robert Carranza e alguns outros grandes nomes da industrial musical nacional e internacional.

“Como engenheiro de gravação contribui muito no disco junto aos meus colegas, desde a escolha de um microfone a mixagem. E toda estas ações, que também inclui reunir todo esse time  no estúdio, demanda muito mais tempo e dinheiro. Por estas razões, é algo raro de se ver hoje em dia”, revela Maia, que já trabalhou com artistas como Seu Jorge,  Marcelo Jeneci, Vinicius D’black, Lulu Santos, Carlinhos Brow, entre outros nomes da Música Popular Brasileira.

Veja Também:  Novo filme de Woody Allen, Roda Gigante, ganha trailer oficial

O ambiente descontraído e tranquilo  contribuiu para que as 13 faixas do disco fossem concluídas em três meses dentro do estúdio. Neste processo, criar a identidade do álbum que estivesse de acordo com o trabalho do Iorc, foi o maior desafio, segundo o engenheiro.

Jonathan também considera que a composição de Tiago Iorc somada aos méritos dos produtores e engenheiros em acertar na escolha do arranjo e do som colaboraram para que o álbum recebesse as duas indicações ao Grammy Latino: de Melhor Música do Ano e Melhor Canção em Língua Portuguesa.

“Para nós, receber um Grammy  é o ápice do reconhecimento na indústria da música, que se compara aos jogadores de futebol quando são convocados para a seleção brasileira e ganha uma copa do mundo. Afinal, é uns dois maiores prêmios que um músico pode receber”, comemora.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Compartilhe