Webséries independentes tem ganhado força no universo digital. Milhões de visualizações e fãs por todo o mundo tem sido o resultado de produtos audiovisuais realizados de forma independente e por criadores de conteúdo de diferente países. Além dos grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro, o Espirito Santo, tem sido representado com a trama “Vidas Reversas”, que terá lançamento em 2020.

A websérie capixaba foi produzida este ano pela produtora de audiovisual independente NAWEB Produções e também foi indicada ao Rio Webfest 2019 na categoria de “Incentivo à Produção Digital Brasileira” ainda antes do lançamento. A trama trata sobre relacionamento abusivo, veiolência contra a mulher e outras problemáticas sociais. A NAWEB é liderada pelos atores Giovanna Gomes, Jessica Zanotelli e Marcelo Monteiro.

Fotografia: Divulgação

Uma das maiores dificuldades dos produtores de conteúdos independentes dos grandes centros é a conquista de parceiros que contribuam para uma produção mais tranquila e com menos gastos, desde estabelecimentos como locações, até alimentação, figurino, equipamentos e outras necessidades da equipe e elenco. Com a produção escassa nas terras capixabas, os criadores da websérie “Vidas Reversas” tiveram mais facilidade no fechamento dessas parcerias.

Sem financiamento coletivo para a trama, os produtores investiram um capital financeiro para arcar com gastos de translado e outros detalhes necessários para a produção. Mas, além disso, impressão dos roteiros, equipamentos, figurino, alimentação para toda a equipe nos dias de gravação e as locações foram possíveis por meio das parcerias conquistadas.

Apesar da tecnologia avançada dos smartphones oferecerem a oportunidade de produzir algo pelo celular, a NAWEB Produções buscou por equipamentos de audiovisual mais profissionais para a realização do projeto. “Fomos comprando os equipamentos aos poucos. Compramos os itens essenciais, câmera, iluminação, microfone, gravador de áudio, rebatedores e outros acessórios”, afirmam os produtores.

Parceiros Capixabas

Além do investimento com os equipamentos, a TV FAESA contribuiu nesse segmento com câmera, tripés, claquete e iluminação. “A parceria com a TV FAESA nos ofereceu um grande adianto nas gravações, pudemos gravar uma cena com 3 planos diferentes de uma só vez. Além da ajuda de alguns alunos para auxiliar na produção”, completam os donos da produtora.

SET de gravação com LED, câmera, claquete e tripés emprestados pela TV FAESA (Fotografia: DD Assessoria de Imprensa

O Jornalista, William de Oliveira, é o coordenador e supervisor da TV FAESA e quem aceitou apoiar a produção capixaba. “Decidi fechar essa parceria principalmente por ser uma iniciativa muito interessante e que veio de grupo pequeno, o qual não é uma grande corporação fazendo uma websérie. Com isso, eu consigo imaginar toda a dificuldade, toda a ralação desse desses empreendedores da cultura, da arte e do entretenimento. Tudo isso me motiva a participar e ajudar. É um produto bastante interessante que atinge uma grande camada de espectadores, ainda sem a pretensão de usar grandes canais. Além disso possui a possibilidade da internet como um instrumento alternativo, que passa a ser um viés de entretenimento bem interessante, possibilitando que cada vez mais criadores de conteúdo possam vir a publicar diferentes trabalhos e talentos. Eu apoio e sempre que puder vou colaborar nesses projetos independentes. Alia-se a isso, o fato de ter nessa websérie a participação de ex-alunos e ex-estagiários na equipe técnica e que também estão empreendendo nessa área da cultura e do entretenimento. Isso é sensacional e me motiva bastante”, conta.

Veja Também:  Personal Trainer de celebridades, Rafael Protein, é referencia no mercado utilizando tecnologia de eletroestimulação

O Jornalista ainda completa sobre como o apoio ao projeto pode contribuir para a TV.

“Com essa parceria eu consigo provocar nos meus alunos, o interesse para que no futuro, quem sabe, possam vir a produzir esse tipo de conteúdo ou outros diversificados produtos audiovisuais”

Ex-aluna/estagiária da TV FAESA fazendo câmera na trama. (Fotografia: DD Assessoria de Imprensa)

Foram semanas de gravação e com equipe técnica e parte do elenco sempre presente nas diárias, a alimentação era uma das preocupações da produtora. Em alguns dias foi preciso ir para a cozinha, mas em outros, o elenco e a equipe puderam se deliciar com pizzas, açaís, chás, pãezinhos e bolos. O setor capixaba de alimentação contribuiu bastante para a realização da trama. “Para sermos sinceros, não esperávamos tantos apoios. Achávamos que receberíamos muitas respostas negativas, mas aconteceu ao contrário, conseguimos 14 parcerias, dentre alimentação, equipamentos, locação e figurinos”, afirmam os criadores de Vidas Reversas.

Elenco com as pizzas da pizzaria Farinella, parceiros da trama. (Fotografia: DD Assessoria de Imprensa)

Além dele, o figurino foi cedido por uma loja completamente capixaba que ofereceu representatividade do estado por meio das camisas utilizadas pelos atores. O protagonista Rodrigo Tardelli foi um deles. “A parceria de figurino nos permitiu criar o perfil de alguns personagens com mais precisão e liberdade”, conta Jéssica, Marcelo e Giovanna.

Rodrigo Tardelli veste Konyk, loja capixaba parceira da websérie “Vidas Reversas”. (Fotografia: Michelle AG)

 

Compartilhe