Aconteceu nesta terça-feira (7), a primeira audiência do suposto caso de agressão envolvendo a modelo Vanessa Alcântara, musa no carnaval de São Paulo. Ela é acusada de desacatar e agredir uma escrivã e uma delegada de polícia em Valinhos, no interior de São Paulo. Vanessa ficará na Penitenciária de Mogi Guaçu até o próximo dia 30, quando ocorrerá uma nova audiência.

De acordo com o advogado de Vanessa, Evandro Campoi, uma das vítimas está viajando e faltou à audiência. Por isso, a juíza não pode tomar o depoimento de Vanessa. “Foram ouvidas as demais vítimas, mas de certa forma os depoimentos são confusos e contraditórios. A prisão da Vanessa é injusta, ilegal e arbitrária. Não há motivos para deixá-la atrás das grades”, garantes.

Ao final da audiência, o advogado pediu a revogação da prisão preventiva. No entanto, a Justiça e o Ministério Público de Valinhos negaram. Inconformada, a defesa entende que a decisão não atende aos requisitos da prisão preventiva e vai apelar com recurso junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) imediatamente.

Veja Também:  The Walking Dead fará crossover com Fear The Walkind Dead

“Estamos cansados de ver criminosos que matam e traficam nas ruas, gozando de liberdade provisória. A Vanessa não cometeu crime algum. Ela nega todas as acusações e nenhum argumento apresentado até o momento mostra que ela é culpada. Além disso, ela não oferece riscos à sociedade. A prisão dela não tem fundamento”, ressalta.

Ainda segundo o advogado, Vanessa permanece sozinha em uma cela na Penitenciária de Mogi Guaçu. Semanalmente ela recebe a visita de sua defesa e tem se mostrando confiante numa decisão favorável. A modelo se alimenta normalmente e se diz com a consciência tranquila em relação às acusações.

Foto: Reprodução / Instagram
Foto: Reprodução / Instagram