Foto: divulgação

Por: Dra. Mariana Kessel, médica dermatologista 

Uma queixa frequente comum aos públicos feminino e masculino é a “caspa”. Manifestando-se desde leve descamação até crostas e fissuras em couro cabeludo e áreas adjacentes a dermatite seborreica compromete a qualidade de vida de homens e mulheres em qualquer idade a partir da puberdade.

A causa principal está relacionada ao desequilíbrio do microbioma cutâneo associado ao excesso de oleosidade e peroxidação lipídica, causando uma inversão da concentração de bactérias residentes e fungos, caracterizando um crescimento expressivo da população fúngica. A consequência é a sensação de maior produção de sebo, prurido e descamação que podem acometer regiões da face (glabela, área da barba, asa nasal e retroauricular) e tronco. Quando o tratamento não é realizado de maneira eficiente o desequilíbrio gera dano  importante a barreira, evoluindo para fissuras e infecção secundária.

O tratamento da dermatite seborreica consiste em recuperar o equilíbrio do microbioma, com pre e probióticos, antifúngicos, reguladores da secreção sebácea e antimicrobianos que no primeiro momento são indicados para uso domiciliar. Em casos avançados ou refratários ao tratamento domiciliar o suporte ambulatorial se faz necessário, associando técnicas de controle do microbioma e reposição da flora residente em equilíbrio. Laser de baixa potência, LED, ozonioterapia são as principais técnicas não invasivas utilizadas em nossa clínica para suporte e tratamento. Todas indolores e sem efeitos colaterais, podendo ser indicadas a todos os públicos.

Veja Também:  Competidores do “MasterChef” enfrentam prova em cozinha profissional

Os tratamentos combinados serão sugeridos após avaliação médica e, específicos para cada caso.

Compartilhe