A apresentadora e modelo Tânia Oliveira não defenderá a escola de samba Dragões da Real no Carnaval 2020. Há cinco anos ela ocupava o cargo de madrinha da agremiação. Em mensagem nas redes sociais, Tânia disse que foi comunicada sobre a decisão por telefone. Fãs e admiradores lotaram seus perfis com mensagens de apoio e carinho.

“E por telefone, a diretoria da Dragões da Real, manda avisar que decidiram que meu ciclo nessa importante agremiação chegou ao fim”, diz trecho do post.

Leia na íntegra o comunicado de Tânia:

“Quando a sirene tocar, será o início de um novo tempo!

A vida é feita de ciclos e todo ciclo tem começo, meio e fim, claro.
Ultimamente tenho terminado / iniciado alguns desses ciclos. Terminei um longo relacionamento, fechei minha academia, me mudei para Mogi das Cruzes, iniciei um programa na Rádio Trans, que eu tanto queria…

E por telefone, a diretoria da Dragões da Real, manda avisar que decidiram que meu ciclo nessa importante agremiação chegou ao fim.

Realmente, de fato, eu já vinha desacelerando meu ritmo… Do final de 2016 para cá estive um pouco ausente sim. Foi quando descobri um câncer e minha vida começou a mudar completamente. Passei o carnaval de 2017 tentando esquecer que já precisaria ter operado, mas não queria ficar de fora dessa festa que tanto amo desde que me conheço por gente! E com permissão médica para adiar minha cirurgia para retirada do tumor, aproveitei e MUITO o carnaval mais feliz da minha vida até hoje, o de 2017.

De forma alguma estou me vitimizando, que fique bem claro. Acontece que a Tânia que eu conhecia deixou de existir e uma nova apareceu em 03/04/2017, quando o prim eiro passo para me livrar da doença foi dado, a cirurgia. E essa nova Tânia está com uma enorme vontade de viver, de se sentir mais viva do que nunca, de ser valorizada (e se valorizar tb, se amar), afinal, GANHEI UMA VIDA NOVA, E LUTO POR ELA TODOS OS DIAS. A vida é nosso maior presente, é clichê, mas muitas vezes precisamos de um “susto” para valorizar.
Esta doença é um divisor de águas, minha disposição mudou, minha imunidade, mudou também minha forma cuidar da minha saúde, que não era prioridade (olha q absurdo… não há nada mais valioso que nossa saúde). Acredito que a vida também mudou para a maioria das pessoas que passam pela experiência de sentir na pele o “peso” dessa doença, mas a usei como grande oportunidade de crescimento pessoal, interior, familiar, emocional, profissional, enfim.

Veja Também:  Após ensaio nu, Luanda Fraga posa de topless: “sutiã incomoda”

Alguns amigos próximos disseram que o carnaval 2017 foi minha “quimioterapia”, me aliviou dores, me fez feliz quando era pra eu estar deprimida e introspectiva.

Foi muito legal fazer parte desse time, desta família de gente feliz por 5 anos. Sinto em não poder despedir-me da comunidade e dos amigos pessoalmente, mas sei que os especiais estarão sempre pertinho de alguma forma, e no meu coração pra sempre.

Continuarei voando pelo Carnaval – festa que eu amo de paixão – mas não mais nas asas de um dragão!

Valeu, Dragôes!

Vem, carnaval 2020, vigésimo carnaval da minha vida, que seja lindo”.

Compartilhe