Lançado nesta semana, o site Musas VIP aposta no financiamento coletivo para tirar a roupa de modelos famosas e anônimas

Que o nu feminino das revistas masculinas está em franca decadência, ninguém tem dúvida. Ao mesmo tempo, na internet, os “nudes” continuam a despertar o encanto dos marmanjos e das moças mais liberais. Pensando nisso, uma agência paulistana lança nesta semana o site Musas VIP, convocando internautas para o financiamento coletivo de ensaios nus.

“Qualquer menina interessada e que sonhe em posar nua recebendo um bom cachê pode se candidatar. O Musas VIP não vai focar apenas famosas, queremos ‘mulheres comuns’, a vizinha, a secretária, aquela gata da balada…”, conta um dos idealizadores, Maurício Roja. “A ideia é realizar o sonho que muitas têm em posar nuas, mas não veem chances de se realizar já que as revistas masculinas não pagam mais”, completa Felipe Aramuni, que desenvolveu o projeto.

O projeto entra no ar (www.musasvip.com.br) nesta quinta-feira (23), e já tem três selecionadas com metas de R$ 10 mil cada. A primeira é a Miss Bumbum México e musa da escola de samba Acadêmicos do Tucuruvi, Sheyla Mell. A segunda é a ex-bailarina do Faustão, Vanessa Perez, e a terceira é Luizza Meirelles, Musa do Joinville Futebol Clube.

Veja Também:  Com vista para o recuo da bateria camarote em São Paulo é favorito pelos Sambistas

Os internautas terão um período que varia de um a três meses para contribuir com cada “campanha”, e no fim do prazo, caso a meta não seja atingida, o valor será devolvido aos investidores. “Quem contribuir com o projeto terá acesso exclusivo às fotos. E, de acordo com o valor doado, o internauta pode até assistir ao ensaio fotográfico ou jantar com a modelo”, detalha Edson Bat, outro idealizador.

A ideia do site, além de disponibilizar ensaios exclusivos, é resgatar a cultura de valorização da nudez. “Hoje a nudez está banalizada, e para isso precisamos de um incentivo financeiro dos apreciadores. O projeto é ousado e desperta a atenção de todos, inclusive das modelos. Já temos uma lista com 35 interessadas”, garante Eduardo Graboski, que também está à frente do projeto.

Compartilhe